29 November, 2010

Foi fim-de-semana de mais ou menos isso.
Começo e café na 6ª.
Trabalho e Natal no Sábado.
Amigos e olhares no Domingo.

Agora, vou voltar ao trabalho. Ver se aqueço, porque o Gabinete está gelado.
Ter uma conversa.
Esperar pelos pingos gelados, do lado de fora da janela.

É 2ª feira, minha gente! E eu só tenho vontade de ronha...

25 November, 2010

Já vi estes textos muitas e muitas vezes na blogosfera.
Em que aceno, em que sorrio, em que gargalho.
Sempre pensei fazer um... mas perco-me tanto nos sentimentos que não arrancava.

Depois cruzei-me com a Inês... e vi que com uns tweeks and cuts chegava lá.
Parto dela, para mim:
Gosto de "imaginar". Não gosto que tentem adivinhar o que imagino. Gosto de inventar palavras. Não gosto que me chamem "nina", "miga"ou "fofa". Gosto de receber mensagens. Não gosto que mandem "jokinhas doces" ou variantes. Gosto que me escrevam. Não gosto que me digam "fica bem". Gosto de conversar. Gosto que me percebam, especialmente quando não estou a dizer tudo que queria. Não gosto que me questionem acerca de coisas óbvias, nem que façam um grande floreado para dizer alguma coisa. Gosto de dias de sol, de crepes (e suas variantes)., de asiático, italiano, indiano. Não gosto de me sentir à parte. Gosto que se lembrem de mim. Não gosto que tenham de me lembrar de alguma coisa. Gosto de conquistar. Não gosto de ser vista a preto e branco. Gosto da cama feita de lavado. [...]. Gosto de descobrir música que ninguém conhece. Gosto que me ofereçam musica. Não gosto de pseudo-intelectuais nem de textos com palavras complicadas. [...]. Gosto de gostar e gosto que gostem de mim. Não gosto de exibicionismo. Gosto planear e concretizar sonhos. Não gosto de ter de fugir a situações desagradáveis. Gosto de grandes preparações; de listas, de fazer surpresas. Não gosto que desvalorizem o meu trabalho. Gosto de observar. Não gosto de ter medo que me julguem por quem sou. Gosto de me sentir corajosa. Não gosto de ser tímida quando não conheço bem as pessoas. Gosto de feedback. Não gosto de obrigações. Gosto de ti. [...]
 
Alguém quer ajudar/acrescentar à lista?
Confio em vocês...

24 November, 2010

A izzie anda por aí...
De cabeça no ar, completamente surpreendida, incrédula, personagem principal de uma novela venezuelana, dobrada - para ser pior!

De coração descompassado com tanto trabalho, e incompetência, e medo e discussões. O medo, sempre o agoiro que me assusta e parece vir de todos os lados.

De corpo que treme porque vai dar um dos maiores passos da vida, (quase) sozinha. - prometo que não vou desatar a falar de decoração e a por fotos da sala dos meus sonhos e da mobília que vou comprar no IKEA...

De olhos no calendário à espera que o dia 31.12 chegue depressa, com as badaladas e as despedidas e, como Deus é grande, 12 dias de férias.

Se olharem com atenção, a izzie está sentada à secretária do Gabinete - quase como se tivesse criado raízes - mas por dentro... aaah por dentro!... corre que nem louca. Ora bailarina ora barata tonta!

23 November, 2010

Durante 18 anos fui uma criança, uma menina, uma neta feliz.
Uma princezinha sem tiara mas o orgulho dos teus olhos, a certeza que não tinhas errado tanto.

És o meu passeio pelo jardim, o meio da torrada.
O gostar de mim incondicionalmente mesmo quando levanto os olhos para o céu e falo contigo a saber que fiz asneira.
Sei que no meio da zanga pequenina, da marotice nos olhos, me sorris e me queres feliz.

Hoje, se o dia deixar, vou-me sentar no banco do jardim, com a noite à minha volta e pensar assim:

Porque foi como vejo, agora, que me estavas a ensinar a ver o mundo.
E no paradoxo, fico feliz por um dos meus maiores defeitos ter vindo de ti.
Estou orgulhosa dos meus genes.

Há 7 anos aprendi o sabor amargo da saudade. E desde aí, todos os dias aprendo o sabor mais doce do amor incondicional.

22 November, 2010

19 November, 2010

Ainda um Domingo disse à S.: Querer é poder.

Entretanto, porque esta semana está a ser tão, mas tão pródiga... encontrei estas palavras da Mariana, que adaptei, pouco, pouquinho, para mim:

Sou estupidamente romântica e ainda assim, estupidamente fria e racional.
Sou disciplinada mas sou um espírito livre e lascivo.
Sou pela construção duma vida feita à medida mas quero pegar numa mochila e perder-me no mundo.
Sou pela espiritualidade [...].
Sou um anjo, a menina impecavelmente educada e correcta mas também sou a desbocada, asneirenta e impulsiva.
Sou terna e sou brutal.
Sou sentimental e sou carnal.
Sou decidida e encontro-me completamente perdida.
Sou corajosa e só me apetece fugir.
Sou madura, sou infantil.
Sou livre, sou uma prisioneira dentro de mim.
Sou pelas palavras, sou pelas acções.

 Sou ... não sou... serei??

Quero assentar, quero explodir em mil cores e experiências.
Quero amor, quero tudo o resto.
Quero viver, quero sobreviver.
Quero ser a melhor, quero desistir.
Quero ter o controlo, quero ir com a maré.
Quero ser uma boa pessoa, quero ser um animal sensitivo.
Quero viver de bem com a minha consciência, quero não ter consciência, apenas impulsos.
[...]
Quero clarividência, quero dormência.
Quero regras, quero liberdade ilimitada.
Quero algemas de seda, quero sentir a pó por baixo dos pés descalços.

Quero saber quem sou, quero que nada disto importe...


É isto tudo.

Bom fim-de-semana - que o meu vai ser de trabalho...

17 November, 2010

Passo 1

Passo 2
Passo 3

Em pessoas que jogam um certo jogo...
Se jogo? Quando quero - que é quase todos os dias. Quando o corpo deixa. Quando tenho resposta/proposta.
A diferença é que I don't lean in for the kiss. I stretch...

Desde 24.09.2010

16 November, 2010

But the verb there... can be intriguing.
[E ainda bem que saltamos o dia 23.]

15 November, 2010

O fim-de-semana foi mais um dos bons.
Apesar da tempestade lá fora, de Sábado ter sido uma quase repetição do Yule, sem UCI hero..., de Domingo me fazer sentir oca, foi muito bom, .

Esqueçamos o sair do trabalho às 21h de 6ª feira... lembremos o Mojito na Foz, enquanto chovia lá fora.
A conversa boa, a preocupação dos amigos... a gargalhada incrédula.

A sesta no Sábado. O bar só para nós. As conversas perversas. A minha pessoa, que não é minha amiga.
O cinema de madrugada inesperado, o filme bom, com pipocas que mal chegaram para 3. A paixoneta pouco declarada que me deixou a pensar...

As horas de conversa no carro. A tarde de Domingo contigo. Em que, cada vez mais, dás passos na direcção que quis há meses, mas que se aceitar agora... é por je ne sais quois.
E um livro novo, oferecido pelos amigos.

E uma 2ª feira que não o parece... e eu só quero que chegue Sábado.
Para descobrir qual será a forma da minha próxima tatuagem.
Até lá... Vem aí repetição de Lisboa, frases dúbias com 2º significado... ciumeira, percepção de universo paralelo.

Apetece-me brincar com o Sol lá fora, brincar com as palavras... talvez para esquecer este nervoso miudinho.

12 November, 2010

Dele, do menino. Do blogue.

Two years, inteirinhos.
Bons, maus, péssimos, maravilhosos, cheios!
Repletos de mim, de vós.
De amor, sonho, ódio, rancor, espera, perguntas, capacidade, medo - crescimento.

O Unleash alonga-se no tempo, com os seus presentes e epifanias, vencendo o meu coração e convencendo-me que, afinal é parte de mim.

To all of you, my loves a huge thank you.

Sou mais, melhor graças a este cantinho.

12.11.08 - o dia em que uma vidinha mudou.

11 November, 2010


Ai meu Deus... perco-me a rir com esta imagem...

[Eu nunca disse aqui... mas QUERO CASAR COM ESTE HOMEM - sem desapego para com o Albano e o Johnathan - e ter pequenos Chuck Bass(tards)]
Neste momento... queria ser várias. Clonar-me.
Várias versões de mim, sempre presentes. Sempre (mais) capazes.
Para poder dizer sim a todos os nãos que digo. Para viver em todos os universos paralelos.

Se algo falhasse, a versão que viveu nesse universo ficaria broke into pieces e desapareceria out of thin air.
Mas ao menos teria experimentado.

Será que assim me sentiria melhor?
Com menos medo da ampulheta de areia fina?...

10 November, 2010

Ontem tinha desculpa para não conseguir trabalhar. Hoje não.
Ontem foi espaço claustrofóbico e gargalhada abafada. Hoje é cachecol colorido à volta do pescoço.
Ontem foi gente e confusão. Hoje é silêncio, folhas e palavras.
Ontem foi chuva e frio. Hoje é Sol e brisa.
Ontem foi conversa e meias palavras, luz e escuro, peças partidas. Hoje é falta de vontade deste Gabinete e muita vontade do Sol lá fora.

É pedidos, é saudades.
E eu?
Eu só quero deitar a Casa para trás das costas, esquecer o trabalho e perder-me nas ruas da Baixa com o meu cachecol novo, os óculos de Sol e o blusão.
Chá no Jardim de Inverno, livro no comboio.

Ou então Ontem, outra vez - quando pedi um arco-íris, nesta janela.

[Estou com medo do jantar de Natal... bitter-sweet you know?]

- - - 
Aaah e Parabéns Z.B dos caracolinhos aloirados!

09 November, 2010

É assim que sou.
A luta interna/eterna.
O frio que é quente.
A independência que grita por ajuda.

Reticências, intermitente, faseada, questionante.

As acções não são de todo as sonhadas.
Não sou perfeitinha, cor-de-rosa, sou humana.
A carne, o coração, a mente são a minha tríade.

A mente grita Vive, Faz! - não confundir com consciência...
O coração treme.
A carne... já foi mais forte.

Já não sou inércia, mesmo que ande, corra em círculos repetitivos.
Enfado?
Temos pena.
Mas estou aqui por mim e por poucos mais.

Sempre eu, mais eu.
Mesmo quando o caminho é mais humano que etéreo.
Esta sou eu.
Que me vou descobrindo.
Já tinha saudades de te citar, das nossas conversas, da nossa capacidade de sentir e ver, ler.
Mesmo quando me lembras disto, aqui em cima, no meio de um Mac, atolhado de pessoas, enquanto chove lá fora.
Tens medo por mim, eu vivo para a tua felicidade.
Lembraste-me 2009: vive! - olha a bela m*rda que deu... tosca!
E ontem, já o escuro morava lá fora, resumiste ao ponto de me arrepiar: private, private, private... amo-te.
Pois claro, Luv u, my person.

08 November, 2010

Sim, porque foi.
Na medida certa, porque a perfeição não existe e se existe, pintava-a de enfadonha.

Neguei a luxúria e parti a caminho da cidade nascente. Reconheci todos os cantos do passado que já não sou.
De braço dado com alguém que vive a euforia do fim, em que me revi. De sabrinas e lenço para não me separar de ti. O prato preferido, a tradição por perguntar, as histórias. A garrafa de Casal Garcia.
O braço dado, para não tropeçar, e os beijinhos na mão.
O concerto perfeito, em que me cantaram, te cantaram, nos cantaram.
O gajo canta uma relação em meia hora.
Regresso, madrugada, confissões e abraço.

Eu e a minha pessoa no restaurante de há um ano. Completamente diferente.
Banquete quente, conversa nossa, análise dos outros.
Doce e picante. Vontade e chocolate.
Nós, no nosso só nosso, na tosquice que roça a loucura.
Planos para mais. Canções no carro.
If you had a Bad Romance, put on your PokerFace, call Alejandro and Just Dance.
Elas são mesmo a mesma pessoa...

Voltar anos atrás, ouvir-te no mesmo sofá. Como quando tínhamos 19 anos.
Mostrar-te que procuramos lá em cima a mesma força, mas de formas diferentes.
Os nossos olhos não são os mesmos.
Medo pelos teus sonhos sem rede, como sempre, como de há 13 anos para cá.
Tento ser a tua razão, a almofada para não caíres desamparada.
E a certeza que os teus dias vão ser do lado de lá do oceano.

O fim-de-semana foi quase perfeito.
O quase fazendo toda a diferença, porque me faz sorrir.
Porque o arrepio permanece, a visão estremece e o som é este.

05 November, 2010


Quando eu consigo.
Enquanto der/houver. Quando há feedback e clima. Quando o frio é só por fora e os olhos brilham de antecipação.
[Ao fundo ouve-se: Uma Lady na mesa, uma louca na cama...]

Concerto oferecido hoje.
Visita devida e jantar amanhã.
Encontro da adolescência Domingo.
E planos para (me) melhorar, para olhar por mim.

Hoje sorrio. A condizer com o Sol, com o lenço e as sabrinas.

04 November, 2010

Mas não seria eu se não viesse cá dizer isto:
Uaí so sirius Dilma, Uaí so sirius?

[Já tinha saudades do Kibe, em conjunto com os e-mails do GGCC e as conversas com o Tuninhas... as melhores gargalhadas do dia!]
Isto

E isto

"(...) She can lead you to love
She can take you or leave you
She can ask for the truth
But she'll never believe you
She'll take what you give her as long as it's free
Yeah, she steals like a thief but she's always a woman to me. (...)"

Billy Joel - She's always a women to me

É o que eu vou sendo. A aceitar as voltas, ofertas e possibilidades que me dão - para não perder tudo, será?
A fazer malabarismos com a minha mente, a minha vontade, as pequenas mudanças e as palavras dos outros.
- - -
Aaah e já tenho, na gaveta, o presente da vida, dos sonhos, da adolescência da minha irmã.
O Natal podia ser já amanhã. Só para a fazer feliz.

02 November, 2010

Obrigada C., Obrigada S., Obrigada G. e Obrigada C.
Partes do todo de que também sou parte. Peças que completa(ra)m o puzzle.

Vi em vocês qualquer uma das miríades que poderei vir a ser no Futuro.
Realmente tínhamos que nos encontrar.

Abri a porta, assimilei as repetições.
Segui a minha carta final.
Agora, é fazer.
Agora, é esperar.

Retorno (a mim).

[Olha a Whitney... :) ]

Peço a todos: keep your fingers crossed!...
 
Copyright (c) 2010 Unleash your thoughts.... Design by Wordpress Themes.

Themes Lovers, Download Blogger Templates And Blogger Templates.