30 April, 2010

[...]
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crinças que vão para a escola.
Pardais que pulam pelo muro.
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refelectidas no espelho do ar.
[...]
Às vezes um galo canta. Às vezes um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas, que estão diante de cada janela,
uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas,
e outros, finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.
Cecília Meireles



Vamos todos olhar para ver assim?
Vamos olhar - mais que ver - os dois? Sim?...
Aproveitem... é fim-de-semana!

29 April, 2010

Adenda ao post:

Às vezes farto-me, é só isso. Farto-me da enorme centopeia em que a vida tem a mania de se tornar, calcorreando lentamente um caminho tortuoso qualquer. São tantos passos que é preciso dar para andar tão pouco.

Porque a vida empancou... - como ele diz.

Se tu soubesses o que me apetece gritar-te para conseguir uma reacção... ao invés, ofereço-me para te sussurar. Sou vista mas não sentida. [Isto começa a ser cliché a mais...]
Por eu ser uma pessoa tão pequenina... hoje as lágrimas acompanham-me até casa.


- - -
Esta palavra faz-me lembrar um dos momentos mais surreais da minha vida - e o verdadeiro início do meu caminho.
Passou-se em Sintra, nos finais de Fevereiro, debaixo de um Sol estranhamente quente.

Agora, mais de um ano depois, vem-me parar às mãos uma outra forma de atingir o mesmo nirvana, a mesma libertação.
21 dias com o meu Arcanjo de predilecção. O nome que muda (sempre) a minha vida.
Frases e um ritual que implica uma purga, em tudo necessária.
Tenho a mais completa noção que tenho que quebrar laços. Por gente fora da minha vida. Perdoar umas tantas outras.
Mas ao falarem de dissolver contratos... porque é que tenho medo de estar a afastar quem quero?

Ontem, na meditação seguinte, percebi: posso estar a dissolver este mau contrato e só assim permitir que quem tem que ficar, entre e fique e contribua com algo de bom.
[Lalala o karma...]
Então sim... venham os 19 dias que restam. Que eu até vou tendo percepção. Que eu até vou sentindo a diferença. Que eu não falho no que sinto, por muito que a roda gire devagar.

Confia e sentirás a diferença.
Nos outros já a vejo. Em mim? Tem dias. [Reservem-me uma cela almofadada no serviço de psiquiatria...]

Dizem-me agora: Your heart will always make itself known through your words.
Que mais querem que diga? Que mais queres ouvir?
Está tudo aqui, e nos meus olhos. No nervoso e na ansiedade.

Aproveito todas as oportunidades para arrepiar caminho. Por isso, que se abram as portas.

[Alguém me leva a ver o mar hoje? Preciso do som furioso das ondas, algo que na fúria seja zen...]

28 April, 2010

Ontem à tarde tive mais uma surpresa boa.
Uma daquelas conversas inesperadas, que sabem tão bem e que fez com que o sorriso se prolongasse até o dia findar.

Por entre tudo o que vamos tagarelando - como se pessoas como nós tagarelassem... - o G. pergunta-me de chofre: apaixonada?
Ao que, verdadeiramente, respondi: funny... estou sem resposta para isso.
Fui retorquida com um ou sim ou não, será dificil? :)
Continuei a bramir a minha espada: não dá para dizer mais ou menos? :)
Decididamente ouço: não, as paixões não deixam duvidas [chiça, encontrei o meu match respondão...]
Na minha inocência: a mim as paixões deixam-me todo o tipo de duvidas.
  Mas como a paixão tem que se lhe diga e eu tenho amigos profundos: eu tenho uma definição interessante para a paixão [...] é acordar de manhã a pensar em alguém, sorrir aparentemente sem sentido durante o dia e adormecer ao final do dia a pensar na mesma pessoa quando acordámos.
Desarmada, concordei: é uma definição verdadeira, interessante, mas suficientemente calma para já não ser só paixão.
Aí o G. volta a entrar em sintonia... : sim, esqueci-me de referir que a paixão implica também a loucura, mas isso depende da vontade e estilo de cada um.


Então sim.
Estou apaixonada. E não vou entrar só no cliché pela vida, pelo Sol, pelos passarinhos... que eu (ainda) não sou a Luciana Abreu!
Estou apaixonada pelas ideias novas que vêm ter comigo, estou apaixonada por quem me rodeia.
Quanto à paixão do Cupido, se queres saber mais, chama-lhe timidez, desconfiança, descrédito (33,3% para cada parcela é a formula certa)... mas sou das que têm que ser abanadas ou a quem têm que confirmar; senão vou-me fechando em copas e assobiando ao vento, à espera que chegue aos ouvidos certos [tipo a imagemzinha aqui ao lado ->].

Mas sim, acordo de manhã, sorrio sem razão aparente e adormeço ainda a sorrir.
Gosto da ideia de me apaixonar.
So, let's do it! Let's fall in love...

- - -
Parabéns Neezita! =)

27 April, 2010

Os acontecimentos da Maça e Canela também fazem sentido por terras de Cerejeiras e bagos.

So it's something like this:
in here

[Olha o detalhezinho do chá...]

26 April, 2010

Mordes. Beijamos...
O toque da tua mão. A interrupção. A tua mão.
O jeito, a lembrança que agora é sorriso gargalhado, descartada por ti e em ti.
A timidez ao de cima mesclada com a vontade.
O desculpa. O sorriso.
[...]

As tuas mão frias, suadas. As tuas costas quando queria os teus olhos.
O sorriso no passo que tremia mas fluia [...].
Tu normalizas-me.

*Cenário fruto da mente. Como se eu fosse trocar o azul das águas...

E de repente todas as músicas com esta palavrinha se cantam na mente.
Tudo se "guardou" para ontem e foi um dia de Sol, tal como o nome indica.

Eu e a minha Móninha. E o abraço apertadinho à minha Gaja, sempre.
O Sol quentinho. O chá. As conversas e as perguntas. O sorriso como já não sentia há meses.
O deixar o menos bom para trás e só falar no bom - no muito bom, aliás.

Ao aconselhar, desejar, do fundo do coração, que seja o teu tempo.
Percebi nas minhas próprias palavras que é o meu tempo e a minha situação. E estou de bem com isso.
O sorriso, a calma é maior que tudo.

Fica Sol - porque o teu Deus já não me afecta.
Fica Sol porque acordas corações e mentes.
Venha daí a alegria. Que o coração de pedra surta efeitos.

23 April, 2010

Holding a smile just like this one...

I leave you all for the weekend.

Celebra os bocadinhos que a vida te dá...

22 April, 2010

Umas lágrimas, uns gritos e coisa e tal fazem toda a diferença.
O coração correu a mil. A cabeça tanto voou como pareceu criar raízes.
Mas fui recebendo sorrisos e a certeza que assim não quero ficar.

Por isso, vou arriscar.
Pelo menos vou tentar.
Primeiro o 1º passo. O resto logo se vê.

Começar o meu trabalho. Sentar-me, dizer-me, inspirar-me e caminhar até .
Tenho vontade, tenho ajuda.
Até a perspectiva da correria, do não dormir, do bitching e do moaning me agrada, já viram?

Que daqui a uns dias esteja com os meus - e muitos deles são vocês! - raising a glass.
- - -
Brinca, brinca...
Percebeste ou estás mesmo a fazer-te de K.?
Não sei, mas já é o... e ao menos vou... isso!

21 April, 2010

Tu sabes.
Sempre soubeste.
E agora sabes mais ainda, estando ao lado do omnisciente.

Não foi combinado por ser o teu dia.
O dia que continuo a celebrar no meu calendário apesar da saudade.
Para mim, o primeiro dia de Primavera.

Não foi combinada, programada a esperança que preenche este dia, embora tenha sentido, desde que me levantei, que hoje devia sorrir.

Hoje é dia de abrir as janelas de par em par. Celebrar. Deixar o ar renovado entrar.

Parabéns avô.

20 April, 2010

Hoje, sorrio ao teu regresso. Porque me sinto mais segura e amada ao saber-te aqui.

Hoje, estou entregue à indecisão.
Quero retornar. Aprender. Viver o mundo que já foi meu com outros olhos.
Voltar a enterrar a cabeça entre os livros. Conhecer uma área nova. Dar mais uma hipótese a mim mesma.
Realmente quero voltar a estudar - como me avisam desde Dezembro passado.
Mas e os custos? O tempo?
Percebi também que quero estudar esse caminho de Luz. De cura e auto-aprendizagem.
Parece-me o tema e a forma perfeita. O passo e o apoio para a minha aceitação.
Mas e o tempo? Os custos?

Quero-te a ti que retornas. Quero retornar à aprendizagem. Quero retornar à novidade.
Não me vão impedir, apenas duvidar.

[Alguém me ajuda?]

19 April, 2010

Desde que sonhei contigo...
Depois ouvi o conselho que faz todo o sentido, e que devagarinho tento seguir.

Depois li:
Que amor é este que me consome sem nunca lhe atear fogo? Que vento é este que me leva a ti sem saber onde estás? Não consigo esconder de mim a sensação estranha de borboletas no estômago, que vão esvoaçando como doidas na fresca primavera do ano e tudo se resume a isso: estranheza. Mais ainda quando te queria ver, como te vejo nessa imagem fictícia na memória que mais nada me deu senão a ilusão, a esperança e dias melhores. Fui sempre feito desse amor diferente, maior até que a própria imaginação, e nunca me dei bem - estranho, mas preocupo-me - que chegasse o dia e o momento para acontecer tudo o que se pensa ou quer-se com destemida vontade mas o tempo não corre quando devia fazê-lo, os dias não são o que deviam ser. Que culpa é esta que trago? Que ansiedade? Que vontade? O amor é um sentimento perigoso que não sabe baloiçar à chuva nem ser-se social. O amor é uma ligação e nem todos têm esse direito tão facilmente. O amor sou eu mas falta o resto.
David Marinho

Coincidência(s)...
Dou por mim a pedir, visualizar. A reconhecer [não quero que sejas outro K. por muito bom que isso seja]. Não é troca por troca. É sonho, aproximação.
Sonha, anseia, espera por mim também.

- - -
Fico feliz por quem está feliz.
Venha daí a felicidade (também), sim?

16 April, 2010






E foi mais ou menos isto.
Sights to see and to remember.
Um vislumbre da minha incoerência (e da pouca flexibilidade do Blogger quando queremos partilhar fotografias) e da forma como vejo o mundo... [e quem é que consegue adivinhar qual é a minha favorita?...]

15 April, 2010

A conversa escorre
Como a água pelo corpo.
Eu sou a palavra quente,
Tu o frio das lajes sob os meus pés.

A diferença de temperaturas resulta.
Tudo o que vejo é vapor.

Entre as gotas reconfortantes que escapam
Sobra o frio,
A imaginação.

Imaginei mil outros tipos de vapor
Que nos ligassem.

Retomemos ao equilibrio térmico.
Sem ebulição.
Condensação.
Vapor.
Courage does not always roar. Sometimes, it is the quiet voice at the end of the day saying, "I will try again tomorrow".
Maryanne Radanbacher

Amanda showed me this. Believe me, she's always a galore to a beautiful heart.

Revi-me nesta frase. Revi o ambiente que me rodeia.
Porque hoje a temática é esta.
Breathe in, breathe out and courage my people...

14 April, 2010

Digo que não procuro. Que brinco...
Mas não fecho os olhos. Não deixo de sonhar.
Sabe tão bem, ocupa o tempo, faz sorrir... right?

É possível guardar résteas sem expectativa?
É possível ter saudades de um parece...?

É nestes dias que tenho a certeza que a minha etimologia bate certo: Izzie, a sonhadora...

As nuvens desapareceram lá fora. Da minha janela, ao nível dos olhos, vejo Sol. And It only takes a little bit of light for the darkness to disappear, he says...
Desejo Luz aos meus. Resolução, Força e apoio de coração cheio.
Porque assim atraio (em dobro) e estaremos todos mais perto da Felicidade.
A Meca dourada...

13 April, 2010

Voltei, voltei... (tudo a cantar em conjunto desse lado!)

Pois é.
Cerca de 75 horas. Sonhadas. Ansiadas. Ao contrário do habitual, pouco planeadas.
Correu bem. Correu menos bem. Correu. Fluiu.
Muitas lembranças. Muitas pessoas no coração. Muito cansaço.

Percebi que, em 7 anos, caminhei tanto na vida, quanto percorri aquelas ruas cheias de gente.
Londres reencontrou uma menina diferente.
Eu reencontrei o meu lugar. O Sol brilhou para mim - como disse a minha Móninha. O Mundo passou por mim e eu fui parte do Mundo.
Eu, a eterna rapariga sem búsola, percebi que lá não me perco. Que conheço mais da cidade, e de mim.
Lá continuei a perceber o quê e quem é o meu Mundo.
Percebi de quem tive saudades, quem queria lá. E todos estão num detalhe.
Nem as coisas menos positivas me afectaram. Fiz de novo a viagem acompanhadamente sozinha, mas por mim. Sem me sentir sozinha no meio da multidão que amo.

Desta vez, ao contrário de 2003, não me senti num sonho. Soube-me lá.
Ao ponto de pensar: mas este não é o meu dia-a-dia?

Voltei... para distribuir presentes, lembranças, sorrisos.
Voltei e vi que por aqui, e mesmo lá, recebia notícias, mimos, amizade. E nos pedacinhos (pouco importantes) menos simpáticos era de vocês que me lembrava. Sorri, fiz caretas, vibrei como se estivesse a receber as "notícias" pessoalmente. Porque, o que são milhares de quilometros e um mar quando vivemos no coração e na mente?
Não me esqueço e não se esquecem.

Voltei à realidade. Das pessoas e do sítio.
Com novos planos. Novos sentimentos e muita vontade de sonhar, partilhar, viver.
E sabem o que me fartei de encontrar por lá?
Uma árvore da família das cerejeiras... em quase todas as ruas. Linda, de um rosa claro calmo. à passagem do vento deixava pequenas pétalas bailar no ar.
Coincidência? No, Sir!
Certeza. Eu ainda acredito em sinais...

Em breve mostrarei alguns retalhos deste retorno.

[Sorrio num obrigada].

08 April, 2010

[and always!]
It is all about this:

E o aniversário nem é meu...
Obrigada a todos :)
Amanhã, por esta hora, estarei a aterrar em Londres.
Exactamente (exactamente, mesmo!) 7 anos depois de ter saído de lá.

[Esquece o correr para o comboio, o "acartar" com a mala, o não fazer a mínima ideia do roteiro...]

Vou estar de volta.
Peço para rever poucos sítios conhecidos.
Vou estar de volta.
Quero é ver mais! Sem limite de fotografias...
Vou estar de volta.
E a crendice não vai falhar.
Vou estar de volta.
Mais velha, mas ainda com a sensação que só vou acreditar quando regressar.

Já disse que... vou estar de volta?

07 April, 2010

Se eu fosse um mês seria Maio, não consigo explicar bem porquê. Mas ao pensar faz-me sorrir, faz-me pensar em flores de cerejeira e dias bonitos.

Se eu fosse um dia da semana seria qualquer um. Consigo encontrar beleza e boas memórias para cada um deles.

Se eu fosse um número seria (sou!) o 5.

Se eu fosse um planeta seria a Terra.

Se eu fosse uma cidade seria Londres. Ou Sintra - numa visão "vá para fora, cá dentro".

Se eu fosse um móvel seria uma mesa. Sólida, de confiança, grande, redonda.

Se eu fosse um líquido seria Chá (de frutos, cheia de aromas).

Se eu fosse um pecado seria a Inveja.

Se eu fosse uma pedra seria uma Ametista, rara, cor do mar.

Se eu fosse um metal seria a Prata. Simples, que premeia o esforço e não deixa de ser preciosa.

Se eu fosse uma árvore seria uma Cerejeira ou uma Macieira (bravo-de-esmolfo) plantada num pomar em Lamego.

Se eu fosse uma fruta seria uma Framboesa.

Se eu fosse uma flor seria um Girassol.

Se eu fosse um clima seria o mediterranico.

Se eu fosse um instrumento musical seria um piano.

Se eu fosse um elemento seria Água.

Se eu fosse uma cor seria (sou!) o Azul (de preferência turquesa).

Se eu fosse um animal seria um Gato (siamês de olhos azuis).

Se eu fosse um som seria o o som de um sorriso ou de música perdida no ar.

Se eu fosse uma canção seria Breathe Me da Sia.

Se eu fosse um estilo de música seria qualquer um que vos lembrasse de mim.

Se eu fosse um sentimento seria o Amor - ele é tão graaande.

Se eu fosse um livro seria O Perfume, 11 minutos ou Look Back in Anger.

Se eu fosse uma comida seria algo quente, reconfortante, simples - numa mesa de amigos.

Se eu fosse um defeito seria a Teimosia ou a Desconfiança.

Se eu fosse uma qualidade seria o Altruísmo.

Se eu fosse um sabor seria Agri-doce.

Se eu fosse um cheiro seria o cheiro do abraço de quem mais gostamos.

Se eu fosse uma palavra seria a palavra Eu, porque o sou.

Se eu fosse um verbo seria o verbo Ansiar.

Se eu fosse um objecto seria um livro.

Se eu fosse uma peça de roupa seria umas calças de ganga.

Se eu fosse uma parte do corpo seria os olhos.

Se eu fosse uma expressão seria um sorriso aberto.

Se eu fosse uma frase seria What you see is what you get. Look closer...

06 April, 2010

Take your attention off the conditions around you and put it on what you want. Whatever you focus on, you attract more of the same.
There is no outcome unattainable for whom has the unquenchable desire.
There is nothing this Universe cannot offer you in your asking and alignment. You are in and of a world fertile with possibilities.
Dancing is infusing a body with spirit and soul. - Esta dedico à Ana e ao Gonçalo ;)

Hemal Radia



Laughter gives us a taste of what everyone wants - happiness. It’s just that simple.
Daniel Gottlieb




With the moonlight to guide you
Feel the joy of being alive
 
The day that you stop running
Is the day that you arrive
Stop chasing shadows
Just enjoy the ride
Morcheeba


- - -
Lembrem-se de pedir objectivamente e com jeitinho.
Lembrem-se do que realmente querem. Não se confudam.
Lembrem-se que nem sempre reconhecemos o girar da roda.
Mas ela dá-se.
Fala a (pouca) experiência...

05 April, 2010

Tão cedo passa tudo quanto passa!
Morre tão jovem ante os deuses quanto
Morre! Tudo é tão pouco!
Nada se sabe, tudo se imagina.
Circunda-te de rosas, ama, bebe
E cala. O mais é nada.

Ricardo Reis


[...]
Sinto frio, e falta. Preciso do quente, da faísca que salta.
Da lareira e do cobertor, do abraço e do amor.
[...]
Apetece-me voltar a partir, e nunca mais vir, não ter de tocar com os pés no chão e viver sempre em primeira mão. Tudo, tudo e tudo outra vez. Como quem viaja para não esquecer, como quem vai para se perder.
[...]
Sinto que fujo e não encontro motivo para parar. Sei o que quero, sei o que esperar. Só não sei como chegar, como o encontrar e como o conquistar.
Quero contar mais historias, como aquela, como as outras, mais secretas, mais provocantes. Quero sussurra-las todas, e ver os olhares. Quero falar no singular e não no plural, quero falar na segunda e não na terça.
[...]
Tudo o que eu quero é viver na saudade do desejo constante do tempo eterno e da vida provocante.

Miguel Ribeiro
- - -
Hoje apetece-me escrever, mas falta-me a vontade. - adoro paradoxos, fazem-me lembrar as aulas de Português.
Encontro as palavras dos outros e feita comodista, sinto-as minhas.
Falta-me quem ouça sem julgar, para libertar e tornar mais leve. Quem resolva problemas e dúvidas, qual Matemático da vida. Porque eu sou Menina de Letras.
Então falo para ocupar o silêncio, à espera.

Foi demasiada informação.
Demasiada mudança sem sair do sítio.
Foi o que aprendi este fim-de-semana.

Vou fugir.
Que a Vida me provoque...

100

Congrats Me Deixa Gozar (um blogue que vale a pena...)!
És o seguidor nº 100.

Já agora agradeço a todos os outros que foram pegadas até que ele chegasse a mim... gosto muito de todos vocês, e vocês sabem.

02 April, 2010

You Are Flexible


During your downtime, you like to find something new to experience and to inspire you.
You secretly wish that you could share your ideas with the world. You'd like to be known as a great thinker.

You are realistic about the world. You may have challenges that come your way, but you can overcome them.

You are inspired by high energy. Being around other creative, productive people really motivates you.
[Acertam sempre...]

Agora já percebi porque gostei tanto de ti.
Se ao menos causasse a mesma impressão e sonho...

01 April, 2010

[Não Raquel... não é plágio :p]

Há dias disseram-me que ao longo destes 8 meses que faltam para mudar o calendário terei que ser audaz.
Se realmente não há coincidências, mas sim certeza e verdade... a vida pode dar muitas voltas.

Protecção. Evolução. Recompensa.
Medos vencidos. Traumas ultrapassados. Feitiço contra o feiticeiro.
Mudança de cenário. Teste pessoal.

Tudo isto dito. Tantos pedaços de papel em cima da mesa e uma questão bailava a valsa mais rápido que todas as outras.
Faltava a peça para o sorriso ser de satisfação e expectativa boa.
Só essa me deixa ansiosa.
E foi a que desmoronou.

É reunir a areia. Começar o castelo de novo. Alto, desenhado. Cheio de ameias. E uma ponte, para deixar entrar.
Mesmo com a sombra das palavras a pairar na memória.

Só peço para ser audaz o suficiente, para ser protegida...
 
Copyright (c) 2010 Unleash your thoughts.... Design by Wordpress Themes.

Themes Lovers, Download Blogger Templates And Blogger Templates.